As pequenas concessões


Facebooktwittergoogle_pluspinteresttumblrmail

Somos rápidos em conceder a nossos erros desculpas, geralmente àqueles mesmos erros que, nos outros, são vistos como grandes pecados.

Desta forma vai-se fazendo pequenas concessões aos próprios erros e pecados. Concessões que começam assim tornam um coração incapaz de discernir e, em breve, passamos a aceitar pequenas concessões à carne, ao mundo e… ao diabo.

Se hoje encontro uma “desculpa” para o atraso em chegar à S. Missa… depois encontrarei outra desculpa pra deixar de ir à S. Missa (estou cansado…), para vestir-me de modo inapropriado (faz calor… todos usam…), por último perco completamente o sentido que estou na casa de Deus e já atendo o celular, negocio preços, converso…distraio-me e distraio as outros. Se amanhã encontro desculpa para relaxar na vida de oração… logo mais terei descido ao nível do animal irracional que já não reza e não dá o devido louvor a Deus. Se logo mais concedo em rapidamente perdoar as minhas faltas, serei tardo em perdoar as faltas alheias… ou entrarei no espiral de achar tudo como bom, honesto e santo chamando o pecado de virtude, a desgraça de suma glória. Certamente logo mais encontrarei desculpas frescas e bem cheirosas para aplicar sobre a podridão do pecado a qual disfarçarei de “pecadinhos”. E então, entra-se num torvelinho de desculpar-se a si mesmo e ver tudo com naturalidade. Tudo é natural para o homem carnal.

É uma doença apenas dos leigos? Não! Infelizmente a naturalidade de viver em pecado já é uma constante até mesmo entre os consagrados… hoje se desculpam que não tiveram tempo de rezar, amanhã, quem sabe, um pecado grave se torna algo “natural”, depois de amanhã só lhes resta chafurdar na lama. O que hoje é “apenas um pecadinho”, amanhã é monstro devorador e possuidor do tempo e da vida… que não nos pertencem. Passa-se a viver uma “vidinha” em detrimento da verdadeira vida!

Já um poeta naturalista como Juvenal cantava a beleza do pecado sem deixar de notar os espinhos: “Monstravit brevis hora rosam mihi: vix brevis hora praeteriit, sola est spina reperta mihi.” (Mostrou-me por um breve momento uma rosa, o breve momento logo passou, só me ficou o espinho). Para aqueles que não vêm mais que naturalidade no pecado saibam que da rosa encantadora, que causa deleite à vista, ao tato e ao paladar, resta-lhe apenas o espinho que é o que fica como memória na carne e no espírito.

Quem pode dizer que está com o espírito pronto? Quem pode dizer que é impecável? Quem pode dizer que se basta a si mesmo? Da Palavra de Deus brotam três conselhos de ouro para a nossa salvação:

  1. “Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca.” (Mateus 26,41).
  2. “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia.” (1Cor 10,12).
  3. “Humilhai-vos, pois, debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele vos exalte no tempo oportuno. Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque ele tem cuidado de vós. Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar.” (1Pd 5, 6-8).

S. Cipriano de Cartago comentando este trecho da Carta de S. Pedro afirma que o diabo é sim, um leão ou cão acorrentado, mas que só pode morder quem lhe chega perto.
Vigiemos e Oremos. Uma semana abençoada a todos!



Sobre

Seminarista na Arquidiocese de Diamantina - MG 27 anos.


'As pequenas concessões' sem comentários

Seja o primeiro a comentar este post!

Gostaria de compartilhar seus pensamentos?

Seu endereço de email não será publicado.

"Um varão católico não pode esquecer esta ideia-mestra: imitar Jesus Cristo, em todos os ambientes, sem repelir ninguém."

Homem Catolico

Confortare et Esto Vir.