Cobiça Promovida


Facebooktwittergoogle_pluspinteresttumblrmail

Vejo cada vez mais mulheres reclamando da infidelidade de seus maridos e namorados, e do descontentamento das pessoas pela dificuldade de se envolver em um relacionamento sério e profundo. Bom, as raízes desse fenômeno nada novo na história da humanidade, porém disseminado nos dias de hoje, remetem aos aspectos mais sutis da dinâmica da alma humana.

Tudo nasce através da cobiça. A cobiça não está correlacionada apenas com o desejo de posse material ou poder, mas também com os prazeres. O sujeito que deseja experimentar sexualmente todas mulheres possíveis é um cobiçador, que de modo sôfrego e ávido deseja o que não lhe pertence. A cobiça muitas vezes é de caráter delirante, pois o indivíduo aspira em sua mente aquilo que ele não pode ter, no caso, o afeto de todas mulheres de acordo com seu próprio apetite. Por essa paixão desordenada, o homem se torna angustiado e amargoso, pois a razão da sua inquietude reside na sua própria vontade, que quando alimentada toma cada vez mais força se tornando um vício, tirando-o a liberdade e obnubilando sua razão.

É por esse fato que a maioria dos homens traem, pois não estão acostumado com um meio que fomenta a virtude através da renúncia, mas sim que fomenta o vício através do libertinismo. Dá muita pena em ver os homens vítimas das mentiras da mentalidade moderna que promove o sexo livre como proposta de felicidade conjugal. Mal sabem que isso é um embuste, pois a verdadeira felicidade conjugal e paz de espírito coexiste na renúncia e no domínio de si. Todo homem que não sabe se entregar de corpo e alma nas privações do amor por apenas uma mulher vive INFELIZ! Por mais que ele tente se convencer do contrário postando fotos nas baladas e ostentando uma “peguete” a cada mês diferente, ele no fundo é um consternado vazio e COVARDE. Sim, covarde, pois amar apenas uma mulher e ser fiel exige bravura para suportar as adversidades mundanas, perdoar erros, enfrentar desafios e suportar os defeitos da mulher amada.

O amor exige renúncias, e renúncias exigem desprendimento de si. Coisa quase que completamente nula nessa cultura do “welfare” contemporânea, do qual procura-se apenas o bem estar e a auto-satisfação momentânea e mesquina em detrimento das virtudes elevadas e das coisas eternas. Apenas mais um dos efeitos colaterais da apostasia do homem moderno e do seu afastamento dos preceitos perfeitos de Deus.

Thiago Moraes



Sobre

Seminarista na Arquidiocese de Diamantina - MG 27 anos.


'Cobiça Promovida' possui 1 comentário

  1. 25 de setembro de 2014 @ 17:09 Fabio MS

    Muito bom este pequeno texto. Parabéns ao autor. Visualizei, ao longo da leitura, pessoas por mim conhecidas e, tristemente, excertos de meu próprio comportamento em tempos não tão remotos.
    Aliás, os primeiros textos deste blog anunciam a nobreza do, acho que podemos chamar assim, projeto ESTO VIR. É isso aí. Já passou da hora de os homens recuperarem o brio, a virilidade, reinante noutras épocas. Confiemos em Cristo e na Virgem Maria. Um grande abraço e continuem publicando ótimos textos. Inspiraram-se no “TheCatholicGentleman, não?

    Responder


Gostaria de compartilhar seus pensamentos?

Seu endereço de email não será publicado.

"Um varão católico não pode esquecer esta ideia-mestra: imitar Jesus Cristo, em todos os ambientes, sem repelir ninguém."

Homem Catolico

Confortare et Esto Vir.