O necessário resgate do cavalheirismo


Facebooktwittergoogle_pluspinteresttumblrmail

Em uma rápida busca pelo termo “Cavalheirismo” no Google, você há de se deparar com os seguintes conteúdos.

Primeiramente um texto chamado “Cavalheirismo é Machismo”. Um péssimo indicativo do tempos confusos em que vivemos. Mas não para por aí.

Logo abaixo, um texto que promete “lições de Cavalheirismo que podem deixar elas aos seus pés”. Também é algo problemático, pois revela um entendimento errôneo do cavalheirismo.

Como um apostolado católico, vemos a necessidade de resgatar o genuíno cavalheirismo, à luz da verdade cristã. Livre de fetiches ideológicos ou uma estética afetada.

Em um artigo intitulado “A Necessidade do Cavalheirismo”, C. S. Lewis apontou que duas virtudes aparentemente antagônicas constituíam o ideal de cavaleiro medieval: força e gentileza. Uma sem a outra gera um erro de extremos.

A força sem gentileza gera um bruto, um bárbaro, um bicho. O cavaleiro se converteria em um saqueador. São João Paulo II em um discurso à estudantes disse uma vez que há na natureza masculina corrompida uma tendência à conquista. Ao tomar sem pedir licença. À tirania. Podemos ver algo dessa tentação quando vemos a redução do cavalheirismo a uma estratégia para “deixar elas aos seus pés”. Mera tática de “caçada”.

Por outro lado, a gentileza sem a força traz um outro erro. O homem que é excessivamente delicado, tímido, e preza por agradar ao outro não importa a que custo. Ele não poderá ser um líder que anime seus semelhantes a buscarem grandeza e heroísmo se não estiver disposto a falar de maneira enérgica, a corrigir (o que implica em desagradar, muitas vezes), a tomar decisões difíceis. Para tudo isso é preciso de força. Esse erro, de gentileza sem força, é algo muito visível na geração do homem “feministo”, que sob a desculpa de quebrar paradigmas “culturais opressores”, transforma o homem em um molengão, incapaz de lutar por nobres ideais – ou de lutar pela honra de uma dama.

E aqui, nesse ponto levantado por C.S. Lewis, do homem forte e gentil, encontramos uma boa definição de cavalheirismo. A língua inglesa traduz cavalheiro por gentleman e essa é uma palavra muito feliz. Já mostramos como o Bem Aventurado Cardeal Newman definia o gentleman. Nos países anglo-saxões, o gentil-homem (tradução literal de gentleman) ilustra como deve ser o cavalheiro: o homem forte e gentil.É próprio da criança não saber controlar a própria força, e em uma brincadeira, empurrar o coleguinha sem querer. O homem adulto sabe usar a própria força.

O cavalheiro, tal como o cavaleiro, deve ser um homem capaz de proteger e servir com sua força. A gentileza põe a força a serviço do bom, do belo e do verdadeiro. E nada encarna mais tudo isso do que a mulher amada.

Como diria Chesterton, o feminino é o sexo mais belo.  E esse outro autor inglês, grande homem católico, nos ajuda a entender a postura do cavalheiro diante da mulher.

Disse sua secretária, posteriormente adotada como filha, Dorothy Collins:

Ele possuía um respeito místico pelas mulheres. Cheguei a vê-lo levantar-se de sua cadeira quando uma garotinha entrava na sala.

Esse “respeito místico pelas mulheres” era algo visível mesmo na forma que encarava sua esposa, Frances. Chegou a dizer a uma amiga, referindo-se a uma janela em um canto inusitado de sua casa:

Gosto daquela janela. Quando a luz atinge o cabelo de Frances, cria uma auréola a seu redor e faz com que ela se pareça um pouco mais com o que realmente é.

Essa postura mediante ao feminino vivida pelo Apóstolo do Senso Comum é reveladora e nos revela a maneira que um cavalheiro cristão deve olhar para a mulher. Não se trata idealizar a mulher, algo que é fruto de um sentimentalismo romântico, mas de reconhecer que o feminino é sagrado.

O cavalheiro dá lugar a uma dama para sentar-se, se oferece para carregar peso, ou fica sempre entre ela e a rua não porque a mulher é mais fraca. Ele o faz porque a mulher é mais sagrada e tudo o que é sagrado merece os melhores lugares. Merece ser preservado de tudo aquilo que é profano e vulgar.

Não pensem que é um exagero dizer que a mulher é sagrada. A natureza do feminino é algo de profundamente sacro. A Igreja, sacramento da salvação e Corpo Místico de Cristo é apresentada na Tradição como a Esposa. A alma humana que busca união íntima com Deus, na tradição mística que remete à Cântico dos Cânticos é tratada como alma esponsal. Enquanto entre os santos homens temos alguns místicos grandes como São Pio de Pietrelcina, São Francisco de Assis e São João da Cruz, entre tantos outros não místicos, praticamente todas as grandes santas são almas místicas. Porque o feminino é docilidade e entrega, e é o caminho que  alma deve trilhar.

Por fim, basta observar que o auge da Criação, o que há de mais sublime e belo, onde todas as graças se encontram, é uma mulher. A Mulher. A Santíssima Virgem e Mãe de Deus, Maria.

É por questão de sacralidade e piedade que devemos cuidar do linguajar na presença de uma mulher. Não por convenção social. É uma questão de reverência vestir-se melhor para a namorada ou noiva. É por reconhecer que elas são todas santuários, pois é o sexo feminino que carrega a vida no ventre, que devemos oferecer nossos guarda-chuvas, abrir as portas para elas e puxar cadeiras para elas sentarem. Nada disso é machismo, um rebaixamento da mulher: é reconhecer que o lugar delas é sagrado.

Resgatar o cavalheirismo cristão é bater de frente com o que há de mais atrasado no pior sentido do termo, o machismo; e combater a mais maléfica das modas, o feminismo. O cavalheiro cristão reconhece a dignidade da mulher e jamais há de ferir sua dignidade, por um lado. E por outro lado, esse reconhecimento lembra ao nosso tempo que o feminino é um privilégio, justamente por não ser igual ao masculino. A docilidade, a pureza e a delicadeza tão características do feminino, e tão atacadas pelo feminismo, são dons que devem ser reverenciados.

Que São José, o castíssimo esposo, o guarda da Virgem, nos conceda a graça de sermos fortes e gentis, e de enxergar em cada mulher – por mais difícil que seja – um pouco de Maria Santíssima.



Sobre

Esse Post é uma republicação.


'O necessário resgate do cavalheirismo' possui 5 comentários

  1. 5 de abril de 2017 @ 17:10 Cristian Rogers S. D.

    Parabéns pela reflexão, irmão. Apenas peço que corrijas esta frase “O cavalheiro dá lugar a uma dama para sentar-se, se oferece para carregar peso, ou fica sempre entre ela e a rua porque a mulher é mais fraca”. Por certo, na digitação, acabou passando o ‘não’, posto que o cavaleiro, como bem expuseste, não faz determinadas gentilezas à mulher pelo fato desta ser fraca, mas sim pela sacralidade do feminino, que o cristão, cavaleiro, reconhece em toda mulher. Paz e bem.

    Responder

    • 5 de abril de 2017 @ 19:44 Daniel Alves

      Nossa, realmente, passou despercebido.

      Corrigido!

      Responder

      • 8 de abril de 2017 @ 22:38 César

        Mais um ótimo texto! Deus te ilumine sempre com estas reflexões. Essa página me ajuda muito.

        Responder

      • 10 de abril de 2017 @ 11:24 José Antônio

        Parabéns pelo texto. Mais uma vez o homem católico me ensinando a ser um homem de verdade!!!

        Responder

  2. 2 de junho de 2017 @ 14:30 Bruno Couto

    Excelente o texto, muito obrigado!

    Responder


Gostaria de compartilhar seus pensamentos?

Seu endereço de email não será publicado.

"Um varão católico não pode esquecer esta ideia-mestra: imitar Jesus Cristo, em todos os ambientes, sem repelir ninguém."

Homem Catolico

Confortare et Esto Vir.